A reafirmação do talento de Russell na Bélgica

O talento de Russell pôde ser visto mais uma vez na Bélgica. O inglês está mostrando cada vez mais que merece a vaga na Mercedes, não está?

O “meio vencedor” do GP da Bélgica foi Verstappen. Ele ganhou metade dos pontos em um GP no qual foi feito o mínimo para ser validado. A etapa em Spa escancarou a necessidade da F1 rever detalhes no regulamento, quando ocorrerem situações em que não haja condições climáticas favoráveis para disputas em pista. Contudo, quem pode se considerar um vencedor é Russell, considerando sua trajetória.

Só o fato de ter subido ao pódio pela primeira vez é uma conquista, claro. Na classificação do sábado, o piloto da Williams conseguiu um grande segundo lugar, em um carro que não está entre os melhores do grid. Além disso, o seu desempenho na chuva foi digno de aplausos.

Essa foi mais uma demonstração do talento do piloto de 23 anos, que já podia ter subido no pódio – inclusive no lugar mais alto – se não fosse a trapalhada da Mercedes no GP do Sakhir de 2020. Na corrida em questão, a equipe se complicou nos boxes, colocando um pneu que seria justamente para o Bottas, implicando em mais uma parada que comprometeu a corrida de Russell.

Falando na equipe alemã, a maior expectativa é para saber quem será o companheiro de Hamilton no ano que vem. Ainda não há nada assinado, mas, pelo menos, Toto Wolff já tem a convicção de sua escolha.

Há alguns dias, o chefe de equipe da Mercedes deixou claro que decidiu quem estará com o outro carro. No entanto, disse posteriormente que não faz sentido anunciar a decisão, por envolver outras pessoas e os contratos não estarem assinados. Com isso, as especulações se estendem.

Russell à frente de Hamilton durante as voltas com o safety car no GP da Bélgica

Esse imbróglio deixa todos com expectativas. Primeiramente, Bottas é um bom piloto. No entanto, é perceptível como não consegue oferecer a ameaça esperada para Hamilton. Do outro lado, talvez Russell seja o piloto mais talentoso, da sua geração, que está na F1. (Conta nos comentários se você concorda ou não!).

Independente da resposta, fato é que ele está ‘pedindo’ essa vaga na Mercedes, e merecendo. É a percepção de muitos fãs, mas também de pessoas que estão diretamente envolvidas com a categoria, como Ross Brawn.

Em sua coluna no site da F1, o diretor esportivo da categoria foi firme em suas opiniões. “Na minha visão, ele é a decisão óbvia para a Mercedes no próximo ano”.

Na Bélgica, houve um contraste em relação aos dois postulantes pela vaga na equipe. Enquanto Russell conseguiu a P2, com uma Williams, Bottas foi P8 (desconsiderando a penalização dada após o GP da Hungria, que o colocou na P13).

Há boatos que o finlandês possa ir para a Alfa Romeo, como substituto de Raikkonen – o finlandês pode deixar a categoria ao fim dessa temporada. Se as mudanças esperadas forem confirmadas, é a oportunidade ideal para Russell conseguir mostrar todo seu potencial, estando na principal equipe do grid. Mas, por agora, ficamos no aguardo de novidades do Velho Continente.

2 COMENTÁRIOS

  1. Só q o Norris foi completamente prejudicado já q a direção permitiu a bandeira verde msmo com as condições da pista como no Domingo … simplesmente ridículo, só demonstrando pq a F1 é atualmente a pior categoria da elite do automobilismo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui